ISA - Espírito Santo Section

Área Restrita

Esqueci a senha / Cadastre-se

Cursos

Medição de Vazão

OBJETIVO

Capacitar os participantes com conhecimentos teóricos e práticos dos conceitos fundamentais de medição de vazão.

PÚBLICO ALVO

Técnicos, projetistas  e engenheiros que trabalham com projeto, manutenção de instrumentação e automação, bem como área técnica de operação de processos industriais.

INSTRUTOR : Marcos Vicente Bento Macedo

DURAÇÃO : 5 dias - 20 horas - Noturno  

PROGRAMA

1.      Introdução

2.    Princípios fundamentais da medição de vazão

2.1.  Visão geral dos medidores mais usados nas indústrias: Placas de Orifício, Tubo           Venturi, Bocal de Vazão, Tudo Pitot (convencional), Tubo Annubar, Medidor Eletromagnético, Medidor de Vórtex, Medidor tipo Turbina, Medidor por Ultra-Som, Medidor Termal, Calha Parschall, Medidor de Área Variável, Medidor Coriolis;
2.2.   Vazão mássica, vazão volumétrica e conversão de vazão volumétrica (m3/h para Nm3/h);
2.3.   Regimes de fluxo;
2.4.   Condições de medição (de trabalho, de cálculo e de leitura);
2.5.   Normas aplicáveis aos medidores de vazão mais comuns;
2.6.   Considerações para seleção de um medidor de vazão e seu range;
2.7.   Sistema S. I. de unidades;
2.8.   Características dos diferentes tipos de fluidos;
2.9. Conceituação das principais grandezas físicas empregadas em medição de vazão:  Viscosidade dinâmica (absoluta), viscosidade cinemática, relação de calores específicos, velocidade de fluido, coeficiente de compressividade, peso específico, densidade relativa, coeficiente de expansão, coeficiente de dilatação térmica, condutividade, outras;
2.10.  Principais causas de erros em medição de vazão;
2.11.  Aferição de um medidor de vazão.

3.     Uso de medidor do tipo placa de orifício

3.1   Dedução prática da equação de Bernoulli;
3.2   Diferentes tipos de aplicação de placas de orifício (concêntrica, excêntrica, quarto de círculo, segmental, 4 furos);
3.3    Influência do nº de Reynolds;
3.4    Coeficientes de expansão e dilatação térmicas;
3.5    Coeficiente de descarga;
3.6    Tipos comuns de tomadas de pressão para placas de orifício;
3.7    Coeficientes e aplicações do tipo “Flange Tap”;
3.8    Coeficientes e aplicações do tipo “Corner Tap”;
3.9    Coeficientes e aplicações do tipo “Radius Tap”;
3.10  Coeficientes e aplicações do tipo “Vena Contracta”;
3.11  Peso específico nas condições de fluxo;
3.12  Limites recomendáveis nas condições d/D;
3.13  Avaliação da perda de carga permanente.

4.     Cálculo de placas de orifício para líquidos

4.1.   Uso do fluxograma para cálculo inverso;
4.2.  Utilização dos gráficos e das tabelas: Tabelas de conversão de unidades, massa específica dos fluidos mais comuns nas indústrias, massa específica da água em função da temperatura, viscosidade dinâmica dos fluidos mais comuns, coeficiente de descarga, coeficiente de vazão, coeficiente do tipo de tomada de pressão.

5.     Cálculo de placas de orifício para vapor

5.1    Uso do fluxograma para cálculo inverso;
5.2   Utilização dos gráficos e das tabelas: Tabelas de conversão de unidades, massa específica dos fluidos mais comuns nas indústrias, massa específica do vapor em função da temperatura e pressão, tensão de vapor, volume do vapor, coeficiente de descarga, coeficiente de vazão, coeficiente de expansão, coeficiente de dilatação térmica, coeficiente do tipo de tomada de pressão.

6.    Cálculo de placas de orifício para gás

6.1    Uso do fluxograma para cálculo inverso;
6.2   Utilização dos gráficos e das tabelas: Tabelas de conversão de unidades, massa específica dos fluidos mais comuns nas indústrias, viscosidade dinâmica dos fluidos mais comuns, coeficiente isotrópico, tensão de vapor, volume do vapor, umidade de um gás, coeficiente de vazão, coeficiente de expansão, coeficiente de dilatação térmica, viscosidade absoluta de uma mistura gasosa e número de Shuterland.

7.    Detalhes de instalação de uma placa de orifício

7.1   Trechos retos recomendados a jusante e a vazante de uma placa de orifício;
7.2   Acessórios que melhoram a precisão: Meter Run, retificador de fluxo, anel de impulso,         câmara piezoelétrica;
7.3   Tabelas dimensionais de tubos e flanges;
7.4   Velocidades recomendadas para diversos fluidos;
7.5  Avaliação do erro de um medidor de vazão por diferencial de pressão em função das mudanças das condições de projeto.

8.    Cuidados durante o uso de um programa de cálculo de placa de orifício

ISA Seção ES

Rua das Palmeiras 795 / Sala 605

Edif. Palm Center - Santa Lúcia

CEP 29.056-930 - Vitória - ES

TELEFAX:

(27) 3227-5954

© 2017 - Todos os direitos reservados.

Produzido pela IMPACTA WEB